(per)Seguidores

quinta-feira, 25 de Julho de 2013

Reflexões sobre a conjuntura para (um)a libertação…

O Papa Francisco vai inaugurar uma nova era para a Igreja Católica durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. Essa é a convicção do teólogo Leonardo Boff, que em 1992 deixou todos os cargos na igreja, após ser censurado pelo Vaticano.
Em entrevista ao DW Brasil na sua casa em Petrópolis, o teólogo elogiou Francisco, afirmando que ele é o Papa da rutura. "Essa é a palavra que Bento XVI e João Paulo II mais temiam. Eles acreditavam que a igreja tinha que ter continuidade", avaliou Boff.
O teólogo, um dos expoentes da Teologia da Libertação, disse acreditar que Francisco vai falar sobre os recentes protestos no Brasil. "Ele fez uma declaração corajosa em Roma, dizendo que os políticos têm que escutar os jovens na rua; que a causa dos jovens é legítima, justa e que estaria em conformidade com o evangelho."
DW Brasil: No Rio de Janeiro, mais de um milhão de fiéis católicos vão reunir-se e celebrar a fé durante a Jornada Mundial da Juventude. No século XXI, o cristianismo ainda precisa da figura de um Papa?
Leonardo Boff: Fundamentalmente não precisaria de um Papa. A igreja poderia organizar-se numa vasta rede de comunidades. Mas, à medida que a igreja se foi transformando numa instituição e assumindo uma função política no Império Romano, assumiu também os símbolos do poder: o próprio nome "Papa", que era exclusivo dos imperadores, e aquela capinha cheia de ouro, que só os imperadores podiam usar, mas que os Papas todos usavam. Então, esse curso de uma igreja que tem uma função política dentro do Império Romano em decadência obrigava a igreja a ter um centro de referência. Francisco, quando lhe ofereceram aquela capinha, disse "O carnaval acabou, não quero isso".
Então, este Papa chegou para mudar?
Eu acho que esse é o Papa da rutura. Essa é a palavra que Bento XVI e João Paulo II mais temiam. Eles acreditavam que a igreja tinha que ter continuidade, portanto o Concílio Vaticano II não poderia significar rutura com o Concílio Vaticano I. Mas não, agora há uma rutura, a figura do Papa não é mais a clássica, é outra. Francisco não começou com a reforma da cúria, começou com a reforma do Papado.
O que quer dizer com "reforma do Papado"?
Na Europa vivem só 24% dos católicos. Na América Latina são 62%, e o restante está na África e na Ásia. Hoje, o cristianismo é uma religião do Terceiro Mundo, que um dia teve origem no Primeiro Mundo. Acho que o Papa Francisco vai criar uma dinastia de Papas do Terceiro Mundo. Além disso, as nossas igrejas já não são mais igrejas de espelho, imitando as europeias; são igrejas fonte, criaram as suas tradições, têm os seus mártires, os seus mestres, as suas formas de celebrar, têm as suas teologias e profetas e figuras importantes, como D. Hélder Câmara e D. Óscar Romero. Estas igrejas estão a dar vitalidade ao cristianismo.
Por que está tão otimista? Os problemas da Igreja Católica continuam: a exclusão dos divorciados, a discriminação dos homossexuais, a proibição de mulheres-sacerdotes...
O Papa deu um exemplo claro. Soube que um pároco em Roma negou o batismo ao filho de uma mulher solteira. E o Papa disse: "Esse padre está errado, porque não existe mãe solteira. Existe mãe e filho. E ela tem o direito de ver o filho batizado, porque a igreja tem que ter as portas abertas, pouco importa a condição moral da pessoa". E foi mais fundo ao dizer que não se pode inventar um 8.º sacramento, proibindo os fiéis que não se enquadrem na disciplina eclesiástica de participar da vida da igreja e dos sacramentos. Até agora, os temas da moral sexual, da moral familiar, do celibato e da homossexualidade eram proibidos de serem discutidos. Se um teólogo ou um padre discutisse esse assunto, era logo censurado. Agora, ele vai permitir a discussão.
No Brasil, nas últimas semanas, milhares de jovens foram às ruas protestar contra os políticos corruptos e os altos investimentos nos estádios de futebol. Qual é o recado que o Papa vai dar aos jovens?
Ele fez uma declaração corajosa em Roma, dizendo que os políticos têm que ouvir os jovens na rua; que a causa dos jovens é legítima, justa e que estaria em conformidade com o evangelho. Eu acho que ele vai fazer uma convocação crítica aos políticos, para que não sejam mais corruptos e passem a servir mais o povo. E vai fazer um desafio aos jovens de continuar a transformação da sociedade, mas sem violência. E aí exclui todos esses vândalos que nos últimos dias mostraram uma violência absolutamente injustificável e estúpida.
Disse que os programas sociais no Brasil "incluíram uma Argentina inteira na sociedade brasileira". Por que então as pessoas protestam contra o governo brasileiro?
Curiosamente, elas não são contra o PT, a Dilma ou o Lula. Mostram uma insatisfação geral com o Brasil que temos, que é um país com profundas desigualdades. São 5.000 famílias brasileiras que controlam 43% de toda a riqueza nacional. Além disso, o próprio PT atingiu o seu teto. Ou ele muda e refaz a sua relação orgânica com os movimentos sociais, ou se transforma num partido como os demais, que buscam o poder e acabam corrompendo-se.
A classe média brasileira parece não estar a gostar tanto dos programas de inclusão social do governo brasileiro. Ela foi deixada de lado?
Com Lula, os ricos ficaram mais ricos, e os pobres saíram da pobreza. Toda a gente ganhou. Eu creio que o governo do PT não fez só uma distribuição de rendimento, favorecendo os pobres, mas também fez uma redistribuição. Tirando de quem tem e passando para quem não tem. Só que não aplicou isso às grandes fortunas. Tirou da classe média, que ficou mais pobre.
Acredita que os políticos vão atender ao recado do Papa na Jornada Mundial da Juventude?
Eu acho que ele vai ser muito importante para a América Latina, porque o seu modo de ser vai reforçar as novas democracias, que nasceram na resistência aos militares e estão a fazer boas políticas sociais para os pobres, com inclusão. Então, ele tem uma função política importante. A Cristina Kirchner, que vivia em polémica com ele, entendeu a lição e fez as pazes. Mas por quê? Porque o Papa move multidões. Talvez ninguém no mundo hoje possa reunir um milhão de pessoas. Político nenhum, nem mesmo o Obama.
Mas a Igreja Católica perdeu poder e influência?
Institucionalmente, a Igreja no Brasil está numa profunda crise. Pelo número de católicos, deveríamos ter 100.000 padres. Temos 17.000. Criou-se um vazio, pelo qual entraram as igrejas pentecostais. E com razão. Como o povo é religioso, quem vem falar de Deus, o povo adere, porque indo para Deus, podemos somar sempre. Para batismo, casamento e enterro, é a Igreja Católica. Para saber o outro lado do mundo, o povo vai para o espiritismo. Para as questões de sorte e amor, o povo vai a um centro de macumba. O povo não tem uma visão doutrinária, tem uma visão prática. É um supermercado religioso, com muitos produtos, e o povo vai-se servindo.
Com Francisco, a Teologia da Libertação vai voltar?
Com este Papa, ela vai ganhar visibilidade. Antes dizia-se que a Teologia da Libertação era uma teologia marxista. Agora diz-se que é uma teologia católica. Isso muda a atmosfera da igreja.

Sem comentários:

Enviar um comentário